Início Notícias Ação da PF investiga desvio de recursos públicos em Ouricuri e outras...

Ação da PF investiga desvio de recursos públicos em Ouricuri e outras cidades do Sertão de PE

162
Foto: Divulgação PF

A Polícia Federal deflagou, nesta quarta (78), uma ação para aprofundar as investigações sobre suposto desvio de recursos públicos, corrupção, fraudes em licitações e lavagem de dinheiro.

Esse esquema apurado pela Operação  Ipuçaba II seria operado por uma organização criminosa que atua principalmente em cidades do Sertão pernambucano.

A PF cumpriu 14 mandados de busca e apreensão, além da quebra dos sigilos bancário e fiscal, e o sequestro de bens e valores dos investigados.

A  27ª Vara da Justiça Federal expediu mandados para serem cumpridos mandados nas cidades pernambucanas de Ouricuri, Santa Filomena, Dormentes e Salgueiro, além de Ilhéus (BA) e São Luís (MA).

A segunda fase da ação é um desdobramento de uma operação realizada em 2022.

Na época, a Ipuçaba I  cumpriu mandados de prisão preventiva, busca e apreensão, além de outras medidas cautelares contra agentes públicos e empresários suspeitos de envolvimento no suposto desvio de recursos públicos federais destinados a uma prefeitura de um sertanejo.

Os recursos supostamente desviados eram destinados ao custeio de serviços de transporte escolar e locação de veículos para a Secretaria de Saúde do município.

Primeira etapa

No dia 2 de dezembro de 2022,  a Controladoria-Geral da União (CGU) e a PF deflagraram a Ipuçaba I.

O objetivo foi  apurar crimes relacionados a licitações e a aplicação de recursos públicos federais em Ouricuri (PE).

Análises iniciais sobre processos licitatórios realizados em Ouricuri apontaram indícios de direcionamento, restrição à competitividade, detalhamento insuficiente do objeto e prejuízo à transparência.

Os auditores verificaram que empresas de um mesmo grupo vêm se revezando na prestação dos serviços de transporte de alunos e locação de veículos e máquinas pesadas; e empresas de outro grupo têm se sucedido na prestação de serviços gráficos e de reprografias.

Também foram observadas possíveis irregularidades na execução dos contratos com ambos os grupos, cujos valores entre 2012 e 2021 superam os R$ 70 milhões. Adicionalmente, investigação da Polícia Federal identificou indícios de pagamentos de vantagens indevidas a agentes públicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here