Início Site Página 2

Ouça o programa Araripina Urgente de 08/04/2020

Por Roberto Gonçalves / Foto: Bruno Rostand

Se você perdeu o Araripina Urgente desta quarta-feira, 08 de abril de 2020, programa que é apresentado pelo radialista Roberto Gonçalves de segunda a sexta-feira, das 7 às 8:30 h, pela Arari FM 90,3 e pelo Sistema Beto Som nas cidades de Parnamirim, Terra Nova, Granito, Moreilândia, Umãs (Salgueiro) e Verdejante e quer ouvir agora na íntegra, é só clicar abaixo.

No programa, você poderá conferir as seguintes notícias:

01-Secretária de Assistência Social de Araripina, Suzilene Alves, tira todas as dúvidas sobre o auxílio emergencial de R$ 600,00

02- Coronavírus: A psicóloga Laura Bezerra fala sobre as diferenças entre ansiedade normal e ansiedade patológica

03-Araripina: Boletim atualizado sobre novo coronavírus aponta mais um caso em investigação

04-Rede Araripina Solidária vai distribuir cestas básicas em ação conjunta de diversas entidades 

05-Agência do Trabalho de Araripina passa a realizar atendimentos online

06-“É preciso que as empresas continuem atuando”, diz presidente da FIEPE na Arari FM

07-Fiocruz em Pernambuco desenvolve teste de diagnóstico da covid-19

08-Pernambuco tem aumento do número de casos: foram 129 em 24h

09- Brasil soma 667 mortes pela Covid 19

10- Justiça do Paraguai concede prisão domiciliar a Ronaldinho Gaúcho e ao irmão Roberto de Assis

11- Pagamento de auxílio a informais inscritos no Cadastro Único começa nesta quinta (9)

11- As manchetes dos principais jornais do país, do Blog do Roberto e Blog do Fredson

12– Os destaques do programa Rota 903 na Ronda Policial com Fredson Paiva

13- Participação do ouvinte pelo WhatsApp (87) 9 9161-0116 e facebook

Contra a pandemia de fake news, o apoio da sociedade ao bom jornalismo

Foto: reprodução

*Alexsandro Ribeiro

Na era da informação, não existe realidade social que não seja mediada. Ou seja, tudo o que nos chega sobre os acontecimentos de relevância pública passa por algum meio de comunicação. Quer seja institucionalizado, quer seja compartilhado por redes de contato. Além disso, se tem algo que a história contemporânea tem nos revelado, é que a informação é um dos principais bens de um povo em momento de crise. Assim, neste momento de pandemia, é importante fortalecer a legitimidade da imprensa como cão de guarda da sociedade e incentivar a cultura da responsabilidade no consumo da informação.

Naquilo que diz respeito aos meios institucionalizados como a imprensa e, nela, o jornalismo, cabe a responsabilidade de se pautar pelo interesse público e, na figura de uma instituição social, fazer a mediação entre o indivíduo e a sociedade, e entre todos e a informação. Aqui, neste ponto, o que mais temos visto no cenário midiático é uma cobertura séria, pautada pela rigidez da apuração e do trato com os dados.

De forma exaustiva, mas sem recair em um sensacionalismo ou em uma cobertura desgastante, a imprensa, de uma forma geral, tem sido exemplar neste quesito. Não somente na cobertura, mas no acesso. Praticamente todos os principais portais de notícias e jornais do país abriram suas portas e bloqueios de assinatura para os cidadãos — um conteúdo livre e de qualidade para todos. Em outros casos, veículos rivais, que disputam leitores e consumidores de conteúdo, unificaram suas capas na campanha “juntos vamos derrotar o vírus: unidos pela informação e pela responsabilidade”.

A imprensa, que neste último ano foi alvo de uma brutal campanha de descrédito operada, sobretudo pelo discurso governamental, tem provado de forma geral que seu compromisso é com a sociedade. De forma uníssona, os jornais combatem a desinformação, promovem serviços públicos, incentivam o apoio mútuo, fortalecem os laços sociais, consultam especialistas das mais variadas áreas, confrontam gestores públicos e cobram iniciativas dos governantes. Enquanto alguns líderes promovem a discórdia, o discurso da imprensa tem pregado a solidariedade.

Em um momento sensível como este, em que a saúde pública e a economia estão em evidência, é fundamental que a sociedade mantenha fortalecida a imprensa — uma das únicas barreiras que impedem a desinformação e o agravamento do quadro de crise. Podemos destacar ao menos três formas de fazer isso. A primeira, aos que podem, é apoiar novas assinaturas ou ainda garantir a manutenção financeira dos veículos comerciais e alternativos. A informação de qualidade é cara, sobretudo quando precisamos que ela seja produzida de forma rápida e com conteúdo crítico.

A segunda forma de dar suporte à imprensa é multiplicar a informação. Ou seja, é replicar o conteúdo de qualidade, compartilhar nas redes sociais, debater e fazer com que circulem matérias de veículos consolidados e de respeito. Isso tem uma função dupla: de promover o nome do veículo e sua consolidação frente à sociedade e, em segundo aspecto, fazer com que os dados apurados atinjam um público maior. Quanto mais pessoas souberem sobre os malefícios de automedicação, quanto mais pessoas souberem os números de telefones das autoridades ou ainda sobre as formas de buscar auxílio financeiro de entes públicos, é melhor para todos.

A terceira forma é não dar mais trabalho para a imprensa, que já está sobrecarregada em apurar as mortes, o número de infectados e tornar públicos os atos governamentais. Nada do que façamos neste momento diz respeito a nós apenas. Sobretudo quando nossas decisões e manifestações são feitas em um dos principais espaços de diálogo e de formação de sentido na atualidade: as redes sociais digitais. Se não tem certeza da origem dos dados ou da informação recebida no celular ou nas suas redes, não passe adiante. Duvide de títulos que prometem informações que não existem em nenhum outro jornal, ou de “matérias” que prometam revelar “o que a imprensa não tem mostrado”. É muito capaz que a própria mensagem recebida seja o verdadeiro embuste.

O exercício de cidadania não está apenas em não compartilhar fake news, mas é também não tolerar desinformação sendo replicada por aí. Se encontrar mensagem falsa na internet, denuncie nos canais das redes sociais, procure nos jornais e agências de fact-checking a informação correta e veicule nos comentários ou nos grupos em que a desinformação foi compartilhada.

Se uma imprensa cínica e demagógica, como alertou um dos principais nomes do jornalismo estadunidense, Joseph Pulitzer, tende a formar um público tão vil quanto ela, por outro lado uma imprensa que tem atuado sob valores democráticos e pautada pelo interesse público deve ser reconhecida pelo exercício da cidadania que ela ajuda a promover. Não se trata de deixar de lado um olhar crítico sobre os jornais e as implicações de suas posturas frente à sociedade. Mas o de reconhecer sua legitimidade como instituição social na defesa dos interesses da população contra o autoritarismo, os abusos de poder e, sobretudo, contra a ignorância.

Alexsandro Ribeiro é professor nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Internacional Uninter

Vale de R$ 600 não pode ser descontado se conta estiver negativada, diz Caixa

Foto: reprodução

Agência Brasil

O auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores de baixa renda afetados pela pandemia do novo coronavírus não poderá ser debitado automaticamente caso haja dívidas em atraso e saldo negativo na conta, disse nesta terça-feira (7) o vice-presidente de Rede de Varejo da Caixa Econômica Federal, Paulo Henrique Angelo.

“Todo crédito que for efetuado em conta corrente, nos bancos, não haverá o débito [automático]. A gente colocou uma mensagem de alerta, quando foi feito o desenvolvimento do aplicativo, para eventuais débitos na conta que pudessem ser descontados. Com a realização e o fechamento de acordo com todos os bancos no Brasil, na atualização [do site e do aplicativo] desta noite nós excluiremos este alerta. Então, amanhã ninguém mais terá esse alerta. Não haverá nenhum débito do valor a ser creditado do benefício”, afirmou Angelo em entrevista coletiva para explicar o pagamento do benefício.

Os trabalhadores informais, microempreendedores individuais e autônomos que pagam contribuição individual ou facultativa à Previdência Social receberam o aviso de que a ajuda emergencial poderia ser descontada para quitar débitos em atraso caso a conta estivesse no vermelho. A mensagem apareceu no momento de preencher os dados da conta bancária.

Segundo Angelo, um acordo entre o governo e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) garantiu que os depósitos do auxílio emergencial de R$ 600, que podem chegar a R$ 1,2 mil para mães solteiras, não sofrerão nenhum tipo de débito automático. “Colocamos mensagem de alerta para eventual desconto de débitos do auxílio antes [do fechamento do acordo], mas essa mensagem será retirada do sistema ainda hoje à noite”, garantiu.

Pela manhã, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, tinha dito que o benefício não será abatido mesmo para quem estiver com cheque especial no negativo.

Em nota, a Febraban informou que a vedação a descontos automáticos do benefício consta do mesmo acordo que isentou, por 90 dias, a cobrança de tarifas de DOC ou de TED sobre a transferência do benefício para contas de outros bancos. “As instituições financeiras colocarão esses valores [do auxílio] em uma conta separada da conta principal do beneficiário, mas vinculada a ela. Assim, os recursos poderão ser movimentados usando os mesmos cartão e senha da conta principal, sem que haja risco de que sejam realizados débitos indevidos sobre o valor do auxílio emergencial”, explicou a entidade.

Prefeito de Salgueiro culpa população por casos confirmados de coronavírus na cidade

Foto: reprodução

Ao realizar uma live no Facebook no final da tarde dessa terça-feira, 7, o prefeito de Salgueiro, Clebel Cordeiro, responsabilizou desobedientes das medidas restritivas estabelecidas por decretos, pela incidência de casos confirmados do novo coronavírus na cidade. Ele reclamou de pessoas que estão indo para as ruas e se aglomerando em bancos e lotéricas, por exemplo, infringindo atos normativos.

“Nós estamos recomendando uma coisa e a população está fazendo outra. Vou pedir mais uma vez: não saiam de casa por favor! Por quê? O coronavírus, ele ‘tá’ aí. O coronavírus não está só em Salgueiro, ele está no mundo todo. E o que é que pode acontecer? Entrar no caos. Nós só temos um Hospital Regional e um Pronto Socorro. Vocês parem para pensar nisso”, advertiu.

O gestor reforçou a orientação de isolamento social, pedindo que as pessoas fiquem em casa. Seu principal receio é de uma possível epidemima do vírus no município, o que causaria colapso no sistema municipal e estadual de saúde.

Transmissão comunitária

Na mesma live, a secretaria municipal de Saúde, Adja Barros, falou que dos três casos confirmados em Salgueiro até o momento, um pode ter sido por transmissão comunitária. Ela explicou que o primeiro foi contraído no exterior, o segundo teve contato com o primeiro, mas o terceiro não interagiu com as duas primeiras pessoas. “Esse terceiro caso, ela não teve contato de forma alguma com os outros dois, então a gente já associa à transmissão comunitária”, expôs. (Blog do Alvinho Patriota)

Benefício de R$ 600,00: 18,3 milhões inscritos no 1º dia

Foto: reprodução

Por Estadão Conteúdo

Dezoito milhões e 300 mil trabalhadores informais se cadastraram até as 21h de ontem, para receber o auxílio emergencial de R$ 600 que será pago por três meses aos atingidos pela crise do novo coronavírus. O número é um termômetro da corrida em busca de um alívio no bolso num momento em que a necessidade do isolamento social, recomendada por autoridades de saúde, tem feito minguar a renda desses cidadãos.

A enxurrada de cadastros veio no primeiro dia de funcionamento do site e do aplicativo para o cadastro dos informais que hoje estão completamente fora do radar do governo. Eles não têm registro de microempreendedor individual, nem contribuem de forma autônoma ao INSS. O governo estima que 15 milhões a 20 milhões de trabalhadores estão nessa situação e serão atendidos por esses canais.

Os cadastrados no site ou no aplicativo só devem começar a receber a partir de 14 de abril, segundo calendário divulgado pela Caixa. É possível indicar conta em qualquer banco, mas quem ainda não tem relacionamento bancário receberá o dinheiro numa poupança digital da Caixa e só poderá fazer transações eletrônicas, como transferências e pagamento de contas. Inicialmente, não será possível sacar o dinheiro das poupanças digitais. Um calendário para permitir o resgate em espécie dos valores ainda está sendo elaborado pelo governo.

“As pessoas vão receber o dinheiro na conta e vão poder fazer movimentação. Mas saque terá cronograma. Se num dia só liberarmos 50 milhões para sacar dinheiro ao mesmo tempo, teremos colapso no sistema financeiro”, disse o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. “Estamos estudando um escalonamento para recebimento em espécie.”

Até lá, os próprios dirigentes da Caixa avisam que os contemplados poderão fazer transferências gratuitas para contas de familiares ou pessoas próximas – para quem não há impedimento de saque.

Antes de esse grupo de “invisíveis” começar a receber, o governo iniciará os pagamentos aos brasileiros inseridos no Cadastro Único de programas sociais. São cidadãos de baixa renda já registrados na base de dados e que podem ser elegíveis ao benefício. A Dataprev já começou a rodar os cadastros para verificar quem dentro do CadÚnico precisa receber o auxílio, e a concessão será feita de forma automática. Nesse grupo, quem tiver conta na Caixa ou no Banco do Brasil receberá rapidamente. Nos demais casos, haverá a criação da poupança digital, com as mesma limitação inicial para saques em espécie.

O pagamento da segunda parcela também será feito em abril, entre os dias 27 e 30, de acordo com o mês de aniversário. A terceira e última parcela, por sua vez, será paga entre 26 e 29 de maio.

O terceiro grupo, formado por 14 milhões de famílias beneficiárias do Banco do Brasil, vai receber o auxílio emergencial no mesmo calendário do programa, com pagamentos na segunda quinzena de abril, maio e junho.

O economista Marcelo Neri, do Centro de Pesquisas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), vê com preocupação a logística da operação montada pelo governo. Com base em dados do IBGE, ele estima que aproximadamente 5 milhões de trabalhadores por conta própria e outros 5 milhões de trabalhadores sem carteira assinada serão elegíveis ao auxílio, de acordo com os critérios do programa (renda por pessoa de até R$ 522,50, ou renda familiar total até R$ 3.135). Isso sem contar desempregados e pessoas que, mesmo sem direito, vão engrossar a fila de pedidos. “Serão mais de 15 milhões, é uma operação complexa. E o governo já não está conseguindo operar outros cadastros, tem fila no INSS”, diz.

Segundo Neri, outro desafio é a educação financeira. Por um lado, muitas famílias mais humildes podem não estar habituadas aos canais digitais de pagamento e transações financeiras – que serão necessários diante da impossibilidade de sacar os recursos num primeiro momento. Em outra frente, será preciso educar a população sobre a necessidade de planejamento financeiro, avalia o economista. “São três meses de benefício, mas a duração da crise é incerta. O risco é as pessoas se adaptarem aos R$ 600 mensais e, quando voltarem ao valor anterior, sofrerem”, afirma o economista da FGV.

O sociólogo Luis Henrique Paiva, ex-secretário Nacional de Renda de Cidadania e hoje pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), avalia como positivo o uso de plataformas digitais para o cadastro e pagamento do auxílio. “Muitas pessoas podem se inscrever e receber o auxílio sem sair de casa. Mas existe um público informal com baixa escolaridade e pouca ou nenhuma familiaridade com plataformas digitais para o qual alguma alternativa presencial será necessária. Essa alternativa terá que ser pensada de forma organizada, para evitar aglomerações”, alerta.

Bolsonaro convoca reunião isolada com Mandetta nesta quarta-feira

Foto: reprodução

Com agências

Dois dias depois de crescerem as especulações de que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, seria demitido, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) o convoca para uma reunião a sós no Palácio do Planalto, às 9h quarta-feira (8). Embora tenha admitido que continua no governo, a situação de Mandetta ainda é uma incógnita. Por isso, o encontro dos dois pode ser decisivo para o desfecho do ministro.

Desde a reunião da segunda-feira (6), que resultou no ministro da Saúde anunciando que permaneceria no governo, o presidente não fala com a imprensa. Nesta terça-feira (7), ele faltou a dois eventos pré-confirmados. A Secretaria de Comunicação da Presidência da República alegou que houve “ajustes de compromissos na agenda”.

Sobradinho aumentará vazão para 1.400 m³/s nessa quinta-feira (09)

Foto: reprodução

A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), emitiu carta circular na noite desta terça-feira (07) informando que vai aumentar a vazão defluente da barragem de Sobradinho de 800 para 1.000 metros cúbicos por segundo a partir da 00h00 desta quarta-feira (08).

A vazão volta aumentar a partir da 00h00 do dia 09 de abril, quando passará de 1.000 para 1.400 m³/s, permanecendo nesse patamar de vazão a depender das condições de armazenamento em Itaparica, qual seja, o patamar mínimo de 30% do seu volume útil (VU).

A medida é para atender a baixa vazão do baixo São Francisco. As comportas não serão abertas, a água será liberada pelas próprias máquinas (turbinas) gerando energia. Atualmente, a barragem de Sobradinho está com 79% de sua capacidade total de armazenamento. Os ribeirinhos que moram entre Juazeiro e Paulo Afonso deve ficar atentos ao nível do Rio São Francisco que deve aumentar nos próximos dias.

Tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e crime ambiental são registrados em Araripina

Foto: reprodução

Ação policial aconteceu nesta terça-feira (07), na Vila Queiroz

Por Roberto Gonçalves / Foto: reprodução

Uma operação conjunta das policiais militar e civil conseguiu localizar uma residência em Araripina, onde funcionava um ponto de tráfico de drogas. A ação aconteceu nesta terça-feira (07), na Vila Queiroz.

De acordo com a 9ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), o suspeito dos crimes ao avistar a chegada do policiamento empreendeu fuga. Sua companheira que estava na residência confirmou que conhecia a prática delituosa do marido.

Ainda segundo a PM, ao entrar na residência autorizado pela mulher, foram encontrados os seguintes materiais: 01 revolver cal 32 com 02 munições intactas e com numeração adulterada. 10 gramas de maconha e 1 grama de cocaína. Uma balança de precisão. R$ 124,94 em espécie, 06 pássaros silvestres e uma motocicleta CG 150 Titan.

Todos os objetos foram apreendidos e entregues na Delegacia de polícia Civil (DPC) de Araripina.

Compesa propõe redução de salários e funcionários reagem

Foto: divulgação

De acordo com funcionários da estatal, a presidente da Compesa, Manuela Marinho, convocou na última sexta, dia 04/03, reunião extraordinária do Conselho de Administração da Companhia, para propor a redução dos salários dos funcionários da estatal, face à Medida Provisória nº 936, de 1º de abril de 2020, que institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda.

“A incompetência e o amadorismo da sua gestão à frente da empresa é tamanha, que a própria Medida Provisória, no seu artigo 3º, parágrafo único, exclui a aplicabilidade para os órgãos da administração publica direta e indireta, às empresas públicas e as sociedade de economia mista, sendo neste último caso, o da Compesa. “, reagiram funcionários, sob reserva de fonte.

Os funcionários lembram a determinação do governador Paulo Câmara para que os funcionários de serviços não essenciais fiquem em casa.

De acordo com esses funcionários, o plano apresentado pela presidente é que a perda estimada da arrecadação da companhia para os próximos 90 dias seja financiada pelos colaboradores que estão trabalhando remotamente, com retenção proporcional de seus salários.

São mais de 7 mil funcionários, incluindo os colaboradores concursados e os empregados terceirizados.

A empresa faturou na ultima década mais R$ 12 bilhões, registrando um lucro líquido nesse mesmo período superior a R$ 1 bilhão.

Na alegação, eles dizem que a Medida Provisória sequer alcança a Compesa na qualidade de sociedade de economia mista integrante a administração pública indireta.

“O trabalho remoto foi formalizado na companhia para atender à necessidade de isolamento social, com assinatura, pelos empregados, de respectivo termo de consentimento, mantendo o trabalho presencial apenas nos casos indispensáveis, objetivando reduzir ao máximo a circulação de pessoas. Em momento algum os salários, ou melhor, a retenção de parte deles, foi colocada como condição para o trabalho remoto ou presencial. A medida idealizada, e em vias de implementação, não é somente desonesta com os colaboradores que, de boa fé, seguiram as diretrizes da empresa para o trabalho remoto, é absolutamente discriminatória sob a ótica trabalhista”.

“A gestão de Manuela Marinho ignora, por completo, todos os preceitos legais, e busca criar uma nova modalidade de financiamento público com o dinheiro dos seus colaboradores concursados, que estão na condição de trabalhar remotamente por força da pandemia”. afirmam, no combate à medida.

“Manuela Marinho deveria estar cuidando melhor dos seus funcionários e distribuindo água de graça para a população mais pobre do nosso estado, dando um mínimo de condição de higiene necessária para que as pessoas possam cumprir a mais básica das determinações das autoridades mundiais de saúde, lavar as mãos.”

Com a palavra, a Compesa, caso ache necessário.

Covid-19: Mandetta anuncia parceria para produção de respiradores nacionais

Foto: reprodução

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, relatou nesta quarta-feira (8), durante coletiva, que um dos processos de compra feitos pela pasta não será cumprido. Segundo o ministro, uma empresa chinesa que estaria responsável pela entrega de 15 mil unidades de respiradores mecânicos – equipamento essencial para tratar pessoas infectadas com o novo coronavírus e que apresentam o sintoma mais grave da doença, a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) – não deu garantias de entrega.

Para solucionar o desfalque do material, Mandetta informou que há um projeto de parceria para expandir a capacidade de produção de respiradores por fábricas brasileiras. Uma empresa que fabricavam cerca de 500 por dia fechou acordo para a entrega de 6,5 mil unidades em um prazo de três meses para o governo federal.

Segundo o diretor de logística do ministério da Saúde, Roberto Dias, a meta é garantir que companhias nacionais viabilizem no total 14 mil respiradores, sendo sete mil para Unidades de Tratamento Intensivo e sete mil para transporte de pacientes em estado grave.

Em relação aos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), o ministro afirmou de que já foram repassados mais de 50 milhões aos estados. Na próxima sexta, a perspectiva é que chegue um novo carregamento de 40 milhões. Já os testes rápidos tiveram 500 mil kits distribuídos. Até sexta, a promessa é de entrega de mais 1 milhão de exames.

Aporte de verbas

De acordo com Mandetta, o Ministério da Saúde já aportou R$ 7,6 bilhões em ações de prevenção e combate ao novo coronavírus. Do montante, R$ 600 milhões foram repassados aos estados para planos de contingência, somados a outros R$ 430 milhões, proporcionais à população de cada Unidade da Federação.

Cerca de R$ 900 milhões foram destinados ao programa “Saúde na Hora”, R$ 1, 5 bilhão para compra de EPIs e R$ 650 milhões para leitos.

Além disso, está em construção o primeiro hospital de campanha em Goiás, na região do entorno do Distrito Federal. Conforme Mandetta, a decisão de criar o centro de apoio à pessoas infectadas pelo novo coronavírus se deveu ao fato do governador, Ronaldo Caiado, ter solicitado ajuda emergencial.

O governo é responsável pela construção, entretanto, administração, insumos e recursos humanos deverão ser fornecidos pelo governo de Goiás. Outras estruturas semelhantes poderão ser montadas para atender populações indígenas. Um caso já foi registrado em uma tribo da etnia yanomami.

*Com informações da Agência Brasil

Pagamento para pessoas inscritas no Cadastro Único começa na quinta

Foto: reprodução

Depois de uma demora de semanas, o Ministério da Cidadania, juntamente com a Caixa Econômica Federal, anunciou hoje o lançamento do aplicativo para a inscrição de trabalhadores informais e pessoas aptas a receber o auxílio emergencial de R$ 600, uma das medidas tomadas pelo Governo Federal para proteger economicamente a população durante a pandemia do novo coronavírus.

O aplicativo Caixa Auxílio Emergencial já está disponível. Basta baixá-lo no celular, via Apple ou Play Store.
O aplicativo é para o cadastramento de trabalhadores informais que não estão inscritos no Cadastro Único, microempreendedores individuais (MEI) e contribuintes individuais do INSS.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, falou sobre a preocupação do Governo Federal com aqueles que mais precisam e explicou que o benefício foi disponibilizado para garantir uma renda mínima aos brasileiros em situação mais vulnerável durante a pandemia do novo coronavírus.

No dia 9 de abril, começa o pagamento para as pessoas inscritas no Cadastro Único que têm conta poupança na Caixa Econômica Federal ou conta corrente no Banco do Brasil e que não recebem o Bolsa Família.

No dia 14 de abril, tem início o pagamento às pessoas inscritas no Cadastro Único que não recebem o Bolsa Família e que não têm conta poupança na Caixa Econômica ou conta corrente no Banco do Brasil. Para essas pessoas, serão abertas contas digitais na Caixa gratuitamente.

Também em 14 de abril, começa o pagamento dos microempreendedores individuais, dos que contribuem individualmente para o INSS e dos demais trabalhadores informais que fizeram o cadastro pelo aplicativo do auxílio emergencial criado pela Caixa.

Já os beneficiários do programa Bolsa Família que recebem menos que o auxílio emergencial passam a receber automaticamente os R$ 600 reais. Eles não necessitam entrar no aplicativo ou site nem fazer nenhum tipo de cadastro. O pagamento será feito conforme o cronograma do Bolsa Família, a partir de 16 de abril.

O Governo Federal planeja pagar as três parcelas do benefício em aproximadamente 45 dias, com duas parcelas de R$ 600 reais em abril e a terceira parcela em maio. A exceção fica por conta dos beneficiários do Bolsa Família, que seguem o calendário normal do programa.

O ministro Onyx Lorenzoni explica que o prazo previsto em lei para o pagamento é de 90 dias, mas o Governo entende a importância de antecipar esse processo.

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, estima que a iniciativa vai possibilitar a inclusão de cerca de 30 milhões de pessoas no sistema financeiro nacional.

Para receber o auxílio emergencial de R$ 600 reais, é necessário cumprir os seguintes critérios:

– Ser maior de 18 anos

– A família ter uma renda mensal por pessoa de até meio salário mínimo, que corresponde a R$ 522 reais e 50 centavos; ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos, que totaliza R$ 3 mil 135 reais

– Não ter tido rendimentos tributáveis, em 2018, acima de R$ 28 mil 559 reais e 70 centavos.

O Governo Federal também faz um alerta contra as fake news.

Sites falsos foram criados e mensagens são disseminadas pelo WhatsApp para tentar obter dados dos beneficiários. Informações verídicas somente nos canais oficiais do Governo Federal e da Caixa Econômica Federal. Para mais informações, ligue para o 111 ou entre no site www.cidadania.gov.br.

Municípios pernambucanos recebem orientação para criação de Plano de Contingência da assistência social

Para auxiliar os municípios no cumprimento das exigências legais dos órgãos de controle, a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ) criou um documento norteador para as cidades pernambucanas formularem seus Planos de Contingência no âmbito da assistência social. O objetivo é que haja uma atuação específica nos serviços socioassistenciais durante a prevenção ao novo coronavírus. A minuta da proposta foi enviada aos gestores com orientações de como as redes municipais devem pontuar as providências que precisam adotar para minimizar as consequências sociais do contágio à doença e a atuação dos serviços durante o período de isolamento social.

De acordo com o secretário da SDSCJ, Sileno Guedes, o Plano possibilita que as cidades executem ações mais assertivas e possam agir em conjunto com as determinações e orientações do Estado. “Nesse momento, uma atuação integrada e coordenada entre município, Estado e Governo Federal é o que vai ajudar a conter o vírus e as consequências que a doença vai gerar durante quarentena e quando o isolamento chegar ao fim”, afirma.

Cada município pode estabelecer as intervenções que considerar importante para execução da Política de Assistência Social, mas o secretário executivo de Assistência Social do Estado, Joelson Rodrigues, explica que existem itens importantes a serem observados no planejamento. “É essencial que os gestores pontuem as ações com outras secretarias e outros órgãos de combate ao coronavírus e realizem um diagnóstico socioassistencial para identificar as pessoas em situação de vulnerabilidades no território, além de participar de comitês de enfrentamento ao vírus. A ideia é que sejam construídos procedimentos alternativos para o funcionamento de serviços essenciais e métodos de atuação socioassistencial”, destaca.

Dentre as ofertas de serviços, programas, projetos e benefícios no âmbito da assistência social ressaltados na minuta, estão a necessidade de indicar os fluxos e quais situações prioritárias serão acompanhadas nos serviços, quais devem ser por meio de visita domiciliar e quais serão acompanhadas remotamente; a divulgação das orientações sobre o 13º do Bolsa Família executado pelo Governo estadual; a identificação, diagnóstico social e monitoramento dos locais de concentração e do perfil da população em situação de rua do município e disponibilização de espaços para banho, higiene pessoal e cuidados básicos para o grupo; além da utilização das cozinhas comunitárias ou outros equipamentos públicos de segurança alimentar e nutricional para atendimento às pessoas em situação de vulnerabilidade social do município.

Pernambuco tem aumento do número de casos: foram 129 em 24h

Foto: reprodução

O número de casos do novo coronavírus em Pernambuco subiu, nas últimas 24 horas, para 352 após a confirmação de mais 129 pacientes infectados, um aumento recorde no Estado. Os óbitos também registraram um aumento de 30 para 34 segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE). As informações foram divulgadas na tarde desta terça-feira (7).  O número atualizado de curas clínicas, que até essa segunda (6) estava em 25, ainda não foi divulgado.

O aumento substancial nas confirmações de casos, segundo a SES-PE, é decorrência da ampliação da testagem para o novo coronavírus no Estado. No momento, o Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE), que teve 69 testes positivos em um dia, e os laboratórios privados voltaram a ter capacidade de testagem.As unidades privadas comunicam o Estado sobre a confirmação dos exames realizados em até 24 horas. No entanto, muitos dos laboratórios privados não processam exames nos finais de semana, ou seja, muitos desses casos foram acumulados ao longo dos últimos dias.

A SES-PE informou que mais detalhes sobre o cenário da Covid-19 em Pernambuco serão dadas em entrevista coletiva no fim da tarde desta terça. (Fonte: Folha de Pernambuco)

Não existem condições para eleições esse ano, diz ex-desembargador eleitoral

Foto: reprodução

Por Roberto Morais

Um ou dois anos atrás, tramitou no Congresso uma PEC que propunha prorrogação dos mandatos de prefeitos e vereadores para coincidir todos os mandatos até 2022, mas os deputados federais e senadores, à época, assim não entenderam. Dessa vez é diferente.

É impossível a Justiça Eleitoral administrar esse caos! Inclusive os gastos aumentariam extraordinariamente. De onde viria esse dinheiro? No momento o TSE está precisando de R$ 1 bilhão para comprar urnas novas. De onde viria esse dinheiro?

Claro que o Congresso pode aprovar a emenda e prorrogação com prazos diferentes da proposta do deputado Sebastião Oliveira, muito boa, apesar da necessidade de ajustes na redação.

Estamos em estado de guerra! Tudo pode ser mudado, inclusive as leis e a constituição. Mas é certo dizer que dado o momento, não haverá eleições este ano.

Aqueles que defendem a realização das eleições sempre dizem que os princípios constitucionais devem ser observados. Deixam de ponderar a aplicação de princípios constitucionais de igual valor e relevância.

Ora, nesse caso, o princípio mais relevante e importante é aquele que garante a vida e saúde dos cidadãos. O artigo 5º da Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro, “Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum”.

Sendo assim, nesse momento que escrevo, já são mais de 11 mil infectados e mais de 480 mortos. Como se pode almejar realizar eleições num quadro desses? Lembro que o próprio futuro presidente do TSE já admite adiar a realização das eleições para mês de dezembro. Estou convicto que esse ano não haverá eleições.

Se houver eleições em dezembro, os resultados seriam precários, dado a provável abstenção, o que implicaria baixa representatividade e legitimidade dos eleitos.

Não quero me ater ao aspecto técnico/ jurídico. Longe de mim a pretensão de debater com brilhantes colegas eleitoralistas que tem posição contrária. Vejo pelo lado humano. Seria justo se gastar 5 ou 8 bilhões na situação que se encontra a nação brasileira? Evidentemente que não! Faça-se uma pesquisa e os eleitores dirão não!

*Ex-desembargador eleitoral e advogado eleitoralista

Juiz bloqueia fundos partidário e eleitoral e coloca valores à disposição para combate ao coronavírus

Foto: reprodução

O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, da 4º Vara federal Cível de Brasília, determinou nesta terça-feira o bloqueio dos fundos eleitoral e partidário. Os valores, portanto, não poderão ser depositados pelo Tesouro Nacional, à disposição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na decisão, Catta Preta Neto também afirmou que o montante está à disposição do governo para ser usado “em favor de campanhas para o combate à Pandemia de Coronavírus – COVID19, ou a amenizar suas consequências econômicas”.

Na decisão, o magistrado afirma que a “pandemia que assola toda a Humanidade é grave, sendo descabidas, aqui, maiores considerações sobre aquilo que é público e notório”. “Que tem afetado de forma avassaladora a vida do país”.

“Além da pandemia, e por causa dela, a crise econômica não é mais uma perspectiva. É concreta, palpável. Milhões de trabalhadores informais, autônomos e vários outros, em todo o país, já passam por dificuldades de ordem alimentar inclusive. O fechamento da maioria dos segmentos do comércio, nas maiores cidades brasileiras, tem gerado quebra e desemprego em massa. A economia preocupa tanto ou até mais do que a própria epidemia”, escreve.

Para o juiz, os “sacrifícios que se exigem de toda a Nação não podem ser poupados apenas alguns, justamente os mais poderosos, que controlam, inclusive, o orçamento da União”.

“Nesse contexto a manutenção de fundos partidários e eleitorais incólumes, à disposição de partidos políticos, ainda que no interesse da cidadania (Art. 1º, inciso II da Constituição), se afigura contrária à moralidade pública, aos princípios da dignidade da pessoa Humana (Art. 1º, inciso III da Constituição), dos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa (Art. 1º, inciso IV da Constituição) e, ainda, ao propósito de construção de uma sociedade solidária (Art. 3º, inciso I da Constituição)”, finalizou.

“É preciso que as empresas continuem atuando”, diz presidente da FIEPE na Arari FM

Ricardo Essinger conversou nesta terça-feira (07) com o comunicador Roberto Gonçalves, sobre o impacto da crise do coronavírus nas empresas; ouça na íntegra:

Foto: reprodução

A Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe) solicitou uma reunião com o ministro Paulo Guedes, através de um documento, “Associação Nordeste Forte”, em nome de todas as Federações das Indústrias do Nordeste. O texto tem o objetivo de esclarecer informações necessárias ao ministro, com o  intuito de destravar a burocracia, e iniciar a liberação de recursos para as empresas do Nordeste, visando fortalecer a economia com a geração de empregos.

Participando nessa terça-feira (07) do programa Araripina Urgente da Rádio Arari FM, de Araripina, o presidente da Fiepe, Ricardo Essinger, destacou que um ponto básico seria a criação de um crédito para que as empresas continuem atuando, porque a parada ocasionada pela pandemia do novo coronavírus gerou grandes problemas relacionados ao fluxo de caixa e à liberação de recursos para capital de giro. Além disso, Essinger também ressaltou a necessidade da postergação dos tributos. Ouça a entrevista na íntegra:

Governo de Pernambuco

De acordo com Essinger, a FIEPE enxerga como positivas as decisões encabeçadas pelo Governo do Estado, mas acredita ser fundamental pontuar o que não foi contemplado.

“O que se busca nesse momento não é isenção dos impostos e sim as medidas de postergação em razão da situação calamitosa vivida pelo mundo inteiro. Soma-se ao quadro de vitórias, somente, à postergação do ICMS para as empresas do Simples Nacional e à prorrogação de prazos relativos as obrigações tributárias acessórias, publicada em decreto no dia 31 de março”, afirmou.

O presidente falou ser importante ter sensibilidade neste momento. “O setor industrial é um dos mais importantes da cadeia produtiva do Estado. Dados do Núcleo de Economia da Federação revelam que, atualmente, são quase 15 mil estabelecimentos industriais em Pernambuco, empregando formalmente 286.254 pessoas. Para se ter ideia, tudo isso é responsável por 20% do Produto Interno Bruto (PIB) local”.

Campanha Pelos Heróis da Saúde

Para garantir a segurança dos verdadeiros heróis que estão na linha de frente do combate à Covid-19, a Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE) lançou nesta segunda-feira (06), a campanha Pelos Heróis da Saúde (@pelosheroisdasaude).

Com a participação de artistas e atletas locais, a campanha visa arrecadar recursos para a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) e insumos que serão direcionados aos profissionais que atuam na rede pública de saúde do Estado.

As doações poderão ser feitas até o dia 20 de abril, por meio do link apoia.se/pelosheroisdasaude ou através de depósito/transferência para a conta bancária da FIEPE.

Dr. Francisco Eudes sobre a Covid 19: “De 80 a 90% das pessoas infectadas vão ter apenas um resfriado simples”

Foto: Marcelino Siqueira

Porém o médico ressaltou os cuidados que devem ser tomados com os mais frágeis, como idosos e portadores de doenças crônicas; ouça

Por Roberto Gonçalves / Foto: reprodução

O oftalmologista Dr. Francisco Eudes, durante participação nesta terça-feira (07) no programa Veja bem do Araripina Urgente na Rádio Arari FM 90,3, prestou esclarecimentos importantes aos ouvintes sobre o novo coronavírus.

De acordo com o médico, de 80 a 90% das pessoas infectadas pela doença vão ter apenas um resfriado simples, ressaltando porém, os cuidados que devem ser tomados com os mais frágeis, como idosos e portadores de doenças crônicas.

“Estamos nesse período de quarentena e espero que passe logo pra nossas vidas voltarem ao normal. Após esse período vai dar uma melhorada, mas o vírus não vai desaparecer, como o H1N1 não desapareceu, mas a gente vai poder conviver melhor. Quando mais da metade da população contrair essa doença, ela vai ter uma queda, porque a maioria vai se imunizar, e como eu falei anteriormente, de 80 a 90% das pessoas infectadas não vão sentir nada, no máximo um resfriado simples. Mas a gente tem que cuidar dos mais suscetíveis, principalmente dos idosos, porque esses são mais frágeis e podem evoluir com uma doença mais grave”, explicou.

Na sua fala, Dr. Francisco Eudes citou algumas medidas que podem evitar o contágio. “Realizar lavagens freqüentes das mãos com sabão, principalmente após contato direto com outras pessoas, com dinheiro, maçaneta de portas, etc”, ressaltou. Ouça na íntegra:

No Banner to display

Araripina: Boletim atualizado sobre novo coronavírus aponta mais um caso em investigação

Foto: reprodução

Os casos descartados somam 02. O resultado do exame deve sair nos próximos dias.

Por Roberto Gonçalves / Foto: reprodução

A Secretaria Municipal de Saúde de Araripina, no Sertão de Pernambuco, divulgou nesta terça-feira (07) mais um boletim sobre o novo coronavírus (Covid-19).

A titular da pasta, Roberta Falcão informou que surgiu nas últimas 24 horas mais um caso que está sendo investigado. Os casos descartados somam 02. O resultado do exame deve sair nos próximos dias.

No Banner to display

Rede Araripina Solidária vai distribuir cestas básicas em ação conjunta de diversas entidades 

Foto: divulgação

Um grande grupo de entidades está reunido em torno da Rede Araripina Solidária, que tem como objetivo a arrecadação de itens de alimentação e higiene para a distribuição de 6.000 cestas básicas para famílias carentes da cidade. O projeto foi apresentado nesta terça-feira (07) com a participação de representantes das entidades, liderada pela Prefeitura de Araripina.

Além da Prefeitura compõem a Rede, o Ministério Público de Pernambuco através da Promotoria local, as igrejas Católica e Evangélicas, clubes de serviço como Lions, Rotary e Lojas Maçônicas e entidades representativas de classe como CDL, OAB, Crea, Cremepe, Sindusgesso e outras. Todas as entidades farão um esforço coletivo para arrecadação de alimentos e produtos de higiene que serão distribuídos em três etapas e respeitando os critérios de vulnerabilidade social definidos pelo Ministério da Cidadania, através do Cadastro Único.

A primeira fase atenderá às famílias que têm alunos matriculados no Ensino Infantil da rede municipal de Educação – crianças até seis anos nos berçários, creches, maternal e Infantil I e II. A segunda etapa beneficiará as famílias dos alunos do Ensino Fundamental I e II e as famílias inscritas no CadÚnico na Secretaria de Ação Social do município. Por fim, a Rede Araripina Solidária vai distribuir cestas básicas para as comunidades indicadas pelas entidades participantes.

ARRECADAÇÃO

A arrecadação dos alimentos e produtos de higiene será feita nos pontos de coletas das entidades participantes. O armazenamento será feito no Depósito de Alimentação Escolar da Secretaria de Educação que possui a infraestrutura necessária para o controle e montagem das cestas básicas. Essa montagem será feita por trabalhadores informais de Araripina que devido às medidas de isolamento social estão sem renda e terão o apoio da Prefeitura de Araripina durante esta época.

DISTRIBUIÇÃO

As cestas básicas serão distribuídas usando a rede de escolas municipais por estarem presentes em todas as áreas da cidade, zona rural e distritos de Araripina. A capilaridade das escolas também vai evitar a aglomeração de pessoas em um único ambiente e facilitar que as famílias se desloquem para receber a cesta básica.

PRODUTOS QUE SERÃO ARRECADADOS

A rede Araripina Solidária vai arrecadar os seguintes itens para a formação das cestas básicas: arroz, feijão, macarrão, flocos de milho, leite em pó, biscoitos, café, óleo, sabão em pedra, água sanitária e detergente. A Prefeitura de Araripina garantirá itens para 4.000 cestas básicas. O restante da meta de arrecadação será feito pelas doações da sociedade através das instituições.

Para acompanhar as atividades e divulgação do grupo, está no ar uma conta no Instagram com o nome Araripina Solidária.

No Banner to display

Confira os preços atualizados dos produtos agrícolas comercializados em Araripina

A tonelada da mandioca continua custando em média R$ 160,00 na roça

Por Roberto Gonçalves / Foto: reprodução

Em Araripina, no Sertão de Pernambuco, o preço da tonelada da mandioca nesta terça-feira (07), está com preço estável em relação a semana anterior, e custa em média R$ 160,00 na roça e R$ 200,00 posta na fábrica.

Já a saca de 50 kg da farinha comum está custando R$ 50,00. A farinha grolada R$ vale 65,00 e a quebradinha R$ 75,00. A saca de 60 kg do milho pra forragem está valendo R$ 60,00 e 70,00 pra plantar.

O preço da saca do feijãode corda novo está variando entre R$ 230,00 e R$ 270,00 (novo). A fava custa R$ 8,00 o litro e o andu R$ 4,00.

As informações são de Gerby Alencar, presidente da Associação dos Agricultores da Serra do Morais, zona rural de Araripina.

No Banner to display