Início Notícias Governo Paulo Câmara entra na Justiça e pede ilegalidade da greve dos...

Governo Paulo Câmara entra na Justiça e pede ilegalidade da greve dos professores

411
alt

alt

Blog de Jamildo

O secretário de Administração do governo Paulo Câmara, Milton Coelho, informou, que a gestão entrou na Justiça do Estado, nesta tarde, pedindo a ilegalidade do movimento grevista dos professores da rede estadual.

A greve foi deflagrada na sexta-feira da semana passada.

“Vamos aguardar o pronunciamento da Justiça. Na nossa avaliação, o que aconteceu até aqui foi uma medida de radicalização. E o governo do Estado não pode ficar de braços cruzados, assistindo esse processo de radicalização evoluir, enquanto a população é prejudicada, sem aulas”, declarou, por telefone, de Brasília.

O pedido de socorro ao TJPE ocorre no segundo dia da paralisação, quando a Secretaria de Educação registrou, em levantamento oficial, que  que 48% (506 escolas) não paralisaram as atividades, enquanto 31% (319 unidades) paralisaram parcialmente e 21% (220 escolas) aderiram totalmente à paralisação. No primeiro dia, a não adesão havia sido maior.

De acordo com primeiro levantamento feito nas escolas da Rede Estadual de Ensino, referente ao primeiro dia de greve dos professores, na segunda-feira (13), informou-se que 55% das escolas (574 unidades) não haviam paralisado suas atividades, 28% pararam parcialmente (239 escolas) e 22% paralisaram totalmente (232 escolas).

Entre um dia e outro, o fato novo foi a ameaça de corte de ponto por parte do governador Paulo Câmara, caso os funcionários não voltassem ao trabalho. O governo insiste que só negocia com o fim do movimento.

O secretário de Paulo Câmara recusou-se a comentar se a greve era política ou não.

“Não há qualquer justificativa para os professores estarem em greve, a não ser algum elemento que a gente não identificou ainda. O que nós estranhamos é que a CUT, nacionalmente, reconheça as dificuldades do governo Federal e não reconheça as mesmas dificuldades na situação de Pernambuco”, observou.

“O candidato Paulo Câmara prometeu dobrar o salário dos professores em quatro anos e não em quatro meses”, completou.

Além de acionar o Sintepe na Justiça, o secretário Milton Coelho confirmou ainda que o governo do Estado fechou a folha de pagamento de pessoal de abril nesta terça-feira, mas manteve aberta a folha dos professores até pelo menos o dia 20, de modo a poder descontar os dias parados, caso os professores continuem em greve.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here