Início Notícias Ataques marcam 1º debate entre presidenciáveis na TV

Ataques marcam 1º debate entre presidenciáveis na TV

815
alt

alt

Dilma vira alvo por gestão econômica, reage com críticas a Aécio e Marina, que também se acusam

A 40 dias da eleição, o primeiro debate da campanha de 2014 entre os sete presidenciáveis, ontem na TV Bandeirantes, elevou a temperatura da disputa. Houve ataques recíprocos entre os três principais adversários: a presidente Dilma Rousseff (PT), que concorre à reeleição, o ex-governador Aécio Neves (PSDB) e a ex-senadora Marina Silva (PSB). Logo no início do primeiro bloco que permitia perguntas entre os candidatos, pelo menos um tema uniu, em perguntas distintas, Aécio e Marina contra Dilma: a situação econômica do país. Levando para o debate ecos das manifestações de junho de 2013, Marina citou os pactos pela mobilidade urbana e pelo controle da inflação. E acusou Dilma de não tê-los cumprido.

A presidente reagiu, afirmando que “a inflação está sendo sistematicamente reduzida”. A candidata do PSB respondeu com um ataque direto à gestão Dilma, que teria, segundo ela. apresentando um Brasil “quase cinematográfico”, que não existe.

Aécio Neves, ao criticar a política econômica do governo petista, acusou a presidente de ter “um conjunto de ações desastradas e desconexas em vários setores”. Aécio e Marina também se estranharam diante de dois assuntos: o tucano cobrou da ex-senadora “coerência” em torno dos nomes que escolhe para integrar seu rol de aliados, e Marina criticou a gestão de Aécio como governador de Minas, na área da Educação.

Aécio e Dilma travaram embate por conta do escândalo da venda da refinaria de Pasadena, envolvendo ex-diretores da Petrobras. O presidenciável declarou que a Petrobras passou das páginas econômicas para as páginas policiais e encerrou seu tempo de questionamento perguntando a Dilma se não era hora de ela pedir desculpas pela gestão temerária da empresa. Temas como o controle social da mídia e os conselhos populares também fizeram parte da discussão.

Em suas considerações finais, ao querer enfatizar a ideia de que o “Brasil não comporta novas aventuras” e de que somente ele representaria a mudança com responsabilidade, Aécio antecipou que, caso eleito, escolheria Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central na gestão Fernando Henrique, ministro da Fazenda. Já Marina voltou a citar Eduardo Campos ao final do debate, lembrando ter vivido uma “realidade traumática”, e Dilma reforçou que fora eleita para “fazer avançar o legado de Lula”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here