Início Notícias Socialismo de Tribunal de Contas

Socialismo de Tribunal de Contas

53

Viralizou nas redes sociais, hoje, artigo do professor titular da UFPE, Flávio Brayner, expondo as ligações do Tribunal de Contas do Estado (TCE) com o chamado “socialismo” pernambucano. O artigo foi publicado no Jornal do Commercio impresso.

Leia a íntegra do artigo:

“Socialismo” pernambucano

Clemenceau disse certa vez – e o diplomata e economista Roberto Campos gostava de repetir – que “quem não foi socialista aos 20 anos não tem coração, e quem permanece socialista aos 40 não tem juízo”. Mas acho que ambos esqueceram de dizer que o socialismo da juventude talvez não seja o mesmo da maturidade (que o uso do verbo “permanecer” sugere). Eu conheci nas minhas leituras dois tipos de socialismo que, aliás, não deram certo: o “utópico” e o “científico”.

O primeiro era basicamente francês (Cournot, Proudhon, Saint Simon) e achava que o futuro da humanidade dependia de uma reforma dos indivíduos, e viam no Estado um “educador” da consciência moral. O segundo era alemão (Marx, Engels, Bernstein, Luxemburgo), se pretendia “científico” e achava que havia uma “necessidade histórica” que nos levaria a um futuro radioso, que dependia, estranhamente, de um partido revolucionário “necessidade” é algo que ocorre em função de “leis” internas!.

Nem tivemos reforma moral nem revolução social que produzisse os resultados que o socialismo teórico esperava: o século XX é o resumo do fracasso das ilusões alimentadas por aqueles herdeiros do Iluminismo.

Mas o que nem Clemenceau nem Roberto Campos imaginavam era que haveria um “socialismo” tipicamente pernambucano que tomaria o lugar de seus antecessores “utópicos” e “científicos”. Não leitor, não estou falando dos revoltosos de 48, da Praieira, aliás, onde está a placa que indicava o local do Diário Novo, na Rua da Praia?, quando Abreu e Lima, autor de um livro sobre o Socialismo, ou Pedro Ivo tinham na cabeça um liberalismo federalista bem próximo do republicanismo francês também adotado pelos socialistas daquele país, de inspiração mais reformista do que revolucionária: o atual, pernambucaníssimo, é o Socialismo de Tribunal de Contas (STC)! Este, aliás, deu muito certo! Nele não há mais nenhuma menção ao proletariado revolucionário, à socialização dos meios de produção ou ao fim da mais-valia.

Se ao Socialismo (utópico ou científico) faltou realidade histórica efetiva ou seja, nunca se realizaram de fato, no novo Socialismo pernambucano sobram perguntas: como esconder as contas? Quem pagará as contas? O bisneto se dá conta ? Ou isso nem conta mais? Quando a barra pesar, com quem tu contas? No fundo, o Socialismo pernambucano – que eu tenho em alta conta – sempre soube que quem paga a conta são os deixados-por-conta. O resto é faz-de-conta e, pensando bem, nem é da minha conta!

– “Garçom, traz a conta!”

Flávio Brayner, professor titular da UFPE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here