Início Notícias Sem pisar nas salas de aula há 6 meses, professores da rede...

Sem pisar nas salas de aula há 6 meses, professores da rede estadual de PE deflagram estado de greve

203

Contrários ao retorno das aulas presenciais em Pernambuco, professores da rede estadual deflagraram estado de greve em assembleia virtual realizada na tarde desta quinta-feira (24).

A retomada das atividades, começando pelo ensino médio, foi anunciada pelo governo do estado na última segunda-feira (21).

A previsão é de início das aulas presenciais no dia 6 de outubro para o terceiro ano do ensino médio; no dia 13 para o segundo ano e no dia 20 para o primeiro ano. Ainda não há definição de cronograma para o ensino fundamental e a educação infantil.

A assembleia virtual convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco (Sintepe) reuniu 1.105 participantes. Desses, 93% concordaram com o estado de greve. Uma nova assembleia, também online, foi marcada para a próxima quarta-feira (30), às 14h30.

No encontro, os professores podem decretar greve. “A categoria é contrária à volta presencial e a favor da manutenção das aulas remotas. Entendemos que ainda existem riscos, apesar de os números da Covid-19 estarem diminuindo no estado”, disse a vice-presidente do Sintepe, Valéria Silva.

Antes da assembleia desta quinta, representantes do Sintepe se reuniram com o secretário estadual de Educação e Esportes, Fred Amancio. A conversa durou uma hora e meia. “Ele se colocou a disposição para continuar dialogando sobre o assunto”, afirmou Valéria.

Um novo encontro com o secretário foi marcado para a segunda-feira (28). “A Secretaria de Educação definiu o dia 29 (próxima terça) como a data de retorno dos professores para deixar as escolas preparadas para a volta dos alunos no dia 6. No debate de hoje, definimos que não haverá retorno dos professores até a nova assembleia (na quarta)”, ressaltou a vice-presidente do Sintepe.

O governo de Pernambuco anunciou, na tarde dessa segunda-feira (21), o retorno das aulas presenciais em escolas da educação básica do estado para o dia 6 de outubro tanto para unidades da rede pública quanto para as particulares em todas as regiões do estado.

Na primeira etapa, a volta às aulas envolve apenas o terceiro ano do ensino médio. A volta será opcional e caberá aos pais ou a estudantes com 18 anos ou mais decidir sobre frequentar ou não as atividades presenciais.

O modelo remoto de ensino deve continuar sendo oferecido. Pessoas que fazem parte do grupo de risco da Covid-19 devem continuar trabalhando ou assistindo às aulas no modo remoto.

O secretário estadual de Educação afirmou que a pasta realizou uma “ampla análise do contexto para avaliar riscos e benefícios da abertura das escolas, bem como a experiência e resultados obtidos em mais de 15 países que já retomaram as aulas durante a pandemia”.

Segundo o secretário, o retorno deve ser feito por escolas que atendam aos critérios de retomada estabelecidos pelo protocolo do governo, como distanciamento de pelo menos 1,5 metro em sala de aula; instalação de pias para higienização constante das mãos no ambiente escolar, além de orientações para todos nas escolas; monitoramento e testagem dos casos suspeitos.

6 COMENTÁRIOS

  1. Que absurdo vc chamar os professores de “malandros”… Como pode?! Vc não sabe o que essa categoria tem feito desde o início dessa pandemia? vc pode ter qualquer crítica, mas “malandro” essa é uma categoria que não é! Vc acha que aulas remotas não são aulas?! Vc acha que aulas remotas não dão trabalho?! Foi feito todo um esforço desde o início da pandemia para que as aulas fossem mantidas… os professores se desdobraram para manter a rotina dos estudantes… vc devia aproveitar seu espaço jornalístico pra incentivar as pessoas a respeitarem essa categoria e não pra chamá-los de “malandros”. Quanto ao aumento que vc crítica ele é de direito, o Governo do Estado não atualizou o piso da categoria desde Janeiro… por acaso vc também vai dizer que ganhamos muito? Que temos super-salários como nossos políticos? O seu desrespeito aos professores diz muito mais sobre vc do que sobre a categoria.

    • Sou professor da rede estadual há mais de 25 anos e da Rede municipal do Recife há mais de 15 anos , tenho uma graduação e duas pós graduação , trabalho os três turnos ( manhã , tarde e noite ) , tive e tenho o prazer de educar mais de 20 mil alunos/as , vários deles são médicos , advogados , jornalistas , professores universitários , da educação básica , outros tantos não tiveram o mesmo sucesso , mas todos tem o meu enorme carinho , amor e reapeito. Neste momento de pandemia , tivemos que nos reinventar para podermos oferecer uma educação de qualidade social para todos/as , de forma que a lo valor máximo fosse assegurado : a vida , apesar dos baixos investimentos na educação pública em nosso país, estado e município , assim como a precarização do magistério. Estamos , desde junho , trabalhando de forma remota com muito sacrifício , tanto por parte dos/as educadores/as , como dos nossos estudantes , que por sinal muitos deles não tem acesso a internet nem aparelhos tecnológicos , mas mesmo assim tentamos manter contatos com eles diariamente. Sua postura , além de irresponsável , desumana , é acima de tudo é inescrupulosa e hipócrita , taxando-nos de malandros e preguiçosos. Por que tanto ódio ao magistério público ? Qual suas reais intenções em desqualificar todos os educadores/as do nosso estado ? De que lado você realmente está : do lucro , estado , empresários dos meios de comunicação ou do magistério público e estudantes ? Seu jornalismo se compara aos ratos que chafurdam no esgoto da história.

  2. Prezado Sr. Roberto Gonçalves (ainda estou usando o pronome de tratamento por que sou educada, não por merecimento)

    Sou professora da rede há 11 anos. E durante todo esse tempo nunca trabalhei tanto como nesses últimos seis meses. O fato de “não pisarmos na escola” não significa que estava em casa, sentada num sofá o dia todo, vendo TV. Não sei se o senhor sabe, mas durantes esse período, estamos trabalhando remotamente. As aulas não deixaram de acontecer por que não “pisamos o pé na escola”. Não sei se o senhor sabe, mas nós tivemos que aprender muitas coisas e, ao mesmo tempo que estávamos ensinando, também estávamos estudando, aprendendo a gravar vídeos, fazer podcasts, usar o Google meet pra dar nossas aulas virtuais. Mais do que simplesmente planejar uma aula, tivemos que aprender a planejar aulas para serem ministradas através de um formato no qual não estávamos habituados: as aulas em EAD. São horas a fio, sentados na frente de um computador pesquisando os melhores aplicativos, as melhores plataformas, gravando e regravando vídeos, sim, por que temos que apresentar ao nosso aluno o melhor. São horas e horas de atendimento individual pelo whatsapp esclarecendo as dúvidas dos nossos alunos, motivando-os, incentivando-os para que eles não desistam, consigam continuar, aprender, concluir seus estudos. Esses atendimentos, senhor, não tem hora pra acontecer. Por mais que estabeleçamos um horário fixo, sempre atendemos nossos alunos a qualquer horário (de manhã, a tarde, à noite, de madrugada) porque entendemos que nossos alunos são importantes.
    Sabe o que me alegra apesar de sua infeliz fala? Saber estou contribuindo para formar seres humanos melhores do que o senhor.

    Peraí, não posso esquecer: a categoria está se articulando para processá-lo por calúnia e difamação.
    Boa sorte pro senhor!!!!

  3. Caro Roberto, infleizmente você é mais um que desrespeita a classe que forma nossos profissionais. Pensa na “professorinha que te ensinou o BAB”, você acha que ela realmente merece esse tratamento? Sim, infelizmente o Brasil continua assim por que existem muitos como você por aí, que não reconhece nosso trabalho e acham que somos vagabundos, e ainda assim procuram nossas escolas e faculdades. Não espero que minha classe seja exaltada, mas que seja no mínimo, respeitada. O governo tem que pegar mesmo nosso salário, pois estamos falando de mão de obra especializada, correto ? E ainda paga pouco. Não estamos falando de mão de obra não especiizada, e mesmo que você, não mereceria seu tratamento. Para concluir, sim, fui a praia, viajei, dormi e descansei, pois eu sou pago para trabalhar 150 horas mensais, e não 720 horas mensais, mas acima de tudo fiz meu trabalho. Então meu caro, tenha mais respeito pelas pessoas. E Recomendo que você emita imediatamente uma nota de desculpas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here