Início Notícias Professor queniano é premiado como melhor docente do mundo; brasileira é finalista

Professor queniano é premiado como melhor docente do mundo; brasileira é finalista

68

Professor queniano de matemática é premiado como melhor docente do mundo; brasileira é finalista

O professor queniano Peter Tabichi exibe o prêmio de melhor professor do mundo em 24 de março de 2019 em Dubai. Professor pernambucano não conseguiu chegar na final

Foto difundida pelos organizadores do evento. – Global Education and Skills Forum/AFP

Um queniano foi considerado o melhor professor do mundo, um prêmio dotado de um milhão de dólares que lhe foi entregue neste domingo em Dubai, informaram os organizadores. Segundo o UOL, a brasileira Débora Garofalo foi uma das finalistas e a primeira mulher brasileira a ficar entre os melhores professores do mundo. O professor pernambucano Jayse Ferreira, que também concorria ao título não conseguiu chegar na final.

Leia também:

>> Filho de pai analfabeto, professor pernambucano concorre ao prêmio do Global Teacher Prize, o…

>> Na Arari FM, programa Debate Geral fala sobre “Inovação na Educação” e “Retiro de…

>> Professores da rede municipal de Araripina participam da Jornada Pedagógica 2019

>> Larissa Muniz: “Sei da minha capacidade e estou comprometida a dar o melhor de…

Débora é professora de informática educacional na Escola Municipal Almirante Ary Parreiras, vizinha à favela Alba, no Jardim Babilônia. Ela desenvolveu junto com os alunos o projeto “Robótica com Sucata”, que consiste no aproveitamento de materiais recicláveis para criar soluções para o cotidiano das famílias da comunidade.

Peter Tabichi, 36 anos, é professor de matemática e física que gasta 80% de seu salário para ajudar seus alunos desfavorecidos, disse a Fundação Varkey, que concede o prêmio.

“Sua dedicação, trabalho duro e fé no talento de seus alunos permitiram que sua escola, em área rural e com poucos recursos, ganhasse o Prêmio de Melhor Escola em Competências Nacionais de Ciências Interescolásticas”, explicaram os organizadores.

“Estou aqui apenas pelo o que os meus alunos conseguiram (…) Este prêmio lhes dá uma chance”, disse ele ao receber o prêmio Tabichi, que foi um dos 10 finalistas desta quinta edição do prêmio.

A cerimônia foi apresentada este ano pelo ator australiano Hugh Jackman.

O concurso é patrocinado pela Fundação da família de origem indiana Varkey, que chegou nos anos 1950 nos Emirados Árabes Unidos – na época um protetorado britânico – e fez uma fortuna criando uma rede de escolas particulares para filhos de executivos e técnicos estrangeiros que foram para a área contratada por empresas de petróleo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.