Início Notícias Ministro do STF critica Tribunal de Contas de Pernambuco

Ministro do STF critica Tribunal de Contas de Pernambuco

177
Foto: reprodução

Por Blog do Magno

Além de confirmar a tentativa de desvio dos recursos garantidos para a educação do Estado (25% mínimos) para pagar aposentados e pensionistas do Estado, como o Blog adiantou ontem, o ministro Barroso, do STF, fez duras críticas na decisão contra o TCE de Pernambuco, que editou resolução em julho de 2021 para ajudar a gestão do PSB, segundo fonte no Palácio. A resolução permitiu, por mais três anos, o desvio dos recursos da educação para pagar aposentadorias e pensões do Estado. Barroso apontou “burla” da Constituição por parte do TCE de Pernambuco.

“O Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco editou comando normativo com o intuito de burlar a exigência constitucional e admitir, por mais três anos, a inclusão dessas despesas na base de cálculo do percentual mínimo a ser investido na educação pernambucana”, apontou Barroso. Para o ministro, o  TCE de Pernambuco violou “frontalmente o comando constitucional acima transcrito quando permite que gastos com aposentadoria e pensões sejam incluídos para fins de demonstração do art. 212 da CF/1988”. Barroso cravou que o TCE de Pernambuco permitiu na resolução que “recursos escassos sejam direcionados a finalidades incompatíveis com a imperiosa melhoria do ensino público estadual”.

Diante da gravidade dos fatos praticados pelo TCE de Pernambuco em benefício da atual gestão estadual, Barroso não esperou para levar a questão ao plenário, preferindo decidir monocraticamente. “Quanto ao perigo na demora, observo que o fim do ano exercício financeiro se aproxima, período esse em que, como é sabido, ocorrem os principais ajustes financeiros e orçamentários pelo Poder Executivo. Assim, considerando que o recesso do Poder Judiciário está igualmente próximo, qualquer decisão que não tenha eficácia imediata pode não salvaguardar a tempo o sistema de educação do Estado de Pernambuco, permitindo que recursos escassos sejam direcionados a finalidades incompatíveis com a imperiosa melhoria do ensino público estadual”, decidiu o ministro, criticando o TCE de Pernambuco.

Segundo a decisão do STF, a tentativa de desviar os recursos da educação não ficará por isso mesmo. O ministro Barroso já mandou intimar “o Governador, o Presidente da Assembleia Legislativa e o Presidente do Tribunal de Contas do Estado”. Eles terão cinco dias para prestar esclarecimentos ao STF. A denúncia inicial contra os fatos foi da procuradora da República em Pernambuco, Silvia Regina Pontes Lopes, e dos procuradores do Ministério Público de Contas, Germana Laureano e Cristiano Pimentel. Agora, com a cautelar, o Estado fica imediatamente proibido de usar os recursos, conforme trecho da decisão de Barroso. “Determinando-se que as autoridades competentes se abstenham de contabilizar quaisquer despesas previdenciárias com servidores inativos ou pensionistas no percentual mínimo constitucional”, ordenou Barroso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here