Home Notícias Irmão de Eduardo Campos quer reunião com Moro sobre acidente

Irmão de Eduardo Campos quer reunião com Moro sobre acidente

0
Compartilhar
Antônio e Eduardo Campos
Antônio e Eduardo Campos

O irmão do ex-governador Eduardo Campos (PSB), o advogado Antônio Campos, afirmou nesta quinta-feira (8) que vai tentar uma audiência com o futuro ministro da Justiça Sérgio Moro e com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, sobre a investigação do acidente aéreo que matou o socialista e mais seis pessoas. O advogado defende a reabertura do inquérito. O delegado federal Rubens Maleiner, responsável pelo caso, descartou qualquer possibilidade de sabotagem.

A apuração foi concluída em agosto deste ano, quatro anos após o acidente, em Santos (SP). “Ouvimos todos que cuidaram da aeronave nos dias precedentes ao voo, além de termos feito investigações no Aeroporto Santos Dumont e com relação às oficinas de manutenção que lidaram com a aeronave. Todo entendimento que tivemos da mecânica do voo é absolutamente incompatível com qualquer possibilidade de sabotagem imaginada”, disse o delegado.

O inquérito produzido pela Polícia Federal acabou limitado a apresentar quatro hipóteses possíveis para a ocorrência acidente. A primeira delas é a de colisão com pássaros, uma vez que foi relatado por uma testemunha a presença de muitos urubus nas proximidades no momento do acidente. Também foram mencionadas como hipóteses a possibilidade de disparo de compensador de profundador; e a de pane com travamento de profundador em posições extremas. Esses equipamentos são peças localizadas nas asas ou na traseira, responsáveis por estabilizar e dar a direção à aeronave.

A quarta hipótese apresentada é a de os pilotos terem passado por alguma desorientação espacial. Esta última hipótese foi a apontada em 2016 pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea.

“Verifica-se que o inquérito que apurou a causa do acidente aéreo que vitimou Eduardo Campos, embora descarte falha humana, é inconclusivo, pelo que está requerendo ao Ministério Público Federal e a Justiça de Santos, que não arquive o inquérito, devolvendo a Polícia Federal para novas diligências, aprofundando-as para se chegar a uma causa, ou a mais provável”, defende Antônio Campos.

O irmão de Eduardo Campos ainda afirma: “é de se registrar que o inquérito desmonta a tese do Cenipa de falha humana e não podemos descartar a possibilidade de um acidente aéreo programado para acontecer, até porque o inquérito da Polícia Federal não é conclusivo e uma das hipóteses é de falha mecânica, que pode ser programada para ocorrer, o que caracterizaria sabotagem e homicídio”. (Blog do Jamildo)

No Banner to display

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

16 − onze =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.