Início Notícias Dino diz que governo Lula e Congresso descumpriram ordem e continuam com...

Dino diz que governo Lula e Congresso descumpriram ordem e continuam com o “orçamento secreto”

55
Foto: Gustavo Moreno/SCO/STF

O ministro Flávio Dino, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou na manhã desta segunda (17) que o governo e o Congresso descumpriram a ordem da Corte de detalhar os recursos destinados através das chamadas “emendas de relator” RP9 – que ganharam a alcunha de “orçamento secreto” – referentes ao período de 2020 a 2022 e que foram declaradas inconstitucionais.

A afirmação faz parte de uma decisão a uma ação do PSOL junto da Associação Contas Abertas, da Transparência Brasil e da Transparência Internacional no Brasil. Dino escreveu que, embora a nomenclatura das emendas tenha sido alterada, no fundo a prática segue em vigor.

“Fica evidenciado que não importa a embalagem ou o rótulo (RP 2, RP 8, ‘emendas pizza’ etc.). A mera mudança de nomenclatura não constitucionaliza uma prática classificada como inconstitucional pelo STF, qual seja, a do ‘orçamento secreto’”, escreveu no despacho (leia na íntegra).

Na decisão desta segunda (17), Dino convocou uma audiência conciliatória para que vários órgãos do governo entrem em um acordo sobre o uso e detalhamento das emendas, entre eles os titulares da Procuradoria-Geral da República (PGR), do Tribunal de Contas da União (TCU), da Advocacia-Geral da União (AGU), dos chefes das advocacias do Senado e da Câmara e um advogado do PSOL.

Dino escreveu na decisão pela audiência que não foi cumprida a ordem do STF referente à publicação dos dados referentes aos exercícios financeiros de 2020 a 2022 relativos aos “serviços, obras e compras realizadas com tais verbas públicas, assim como a identificação dos respectivos solicitadores e beneficiários, de modo acessível, claro e fidedigno, no prazo de 90 (noventa) dias”, expressos no despacho.

“Nenhuma democracia no mundo concede ao Legislativo discricionariedade na aplicação de 30% do orçamento, R$ 29. Isso desequilibra a separação de Poderes e dificulta a governabilidade”, reproduziu o ministro de um voto de Luís Roberto Barroso sobre a inconstitucionalidade do “orçamento secreto”.

Flávio Dino pontuou que “até o presente momento, não houve a comprovação cabal nos autos do pleno cumprimento dessa ordem judicial”. “Friso que todas as práticas viabilizadoras do “orçamento secreto” devem ser definitivamente afastadas, à vista do claro comando deste Supremo Tribunal declarando a inconstitucionalidade do atípico instituto”, seguiu no voto.

Ainda de acordo com o ministro, “não há dúvida de que os Poderes Legislativo e Executivo são revestidos de larga discricionariedade quanto ao destino dos recursos orçamentários, o que não exclui o dever de observância aos princípios e procedimentos constantes da Constituição Federal – entre os quais os postulados da publicidade e da eficiência. Sem eles, abrem-se caminhos trevosos conducentes a múltiplas formas de responsabilização, que se busca prevenir com a decisão ora proferida”.

Por fim, Dino pediu na decisão que o TCU e a PGR prestrem esclarecimentos sobre as chamadas “transferências especiais”, conhecidas também como “emendas PIX”, que devem ser analisadas em outra ação da Corte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here