Início Notícias Araripina: Markel Jacob chama atenção para o início das queimadas ilegais na...

Araripina: Markel Jacob chama atenção para o início das queimadas ilegais na região; ouça

196
Foto: Dante Arruda

Por Cidinha Medrado

O número de queimadas aumentou no Sertão do Araripe consideravelmente e tem acontecido com frequência chamando a atenção das autoridades para maiores cuidados com o meio ambiente, no sentido de intensificar um trabalho de cuidados e orientações, já que o sol anda bem quente. Quem falou sobre o assunto no programa Araripina Urgente do Jornalista Roberto Gonçalves, foi Markel Jacob, diretor da ONG Patrulha Ambiental.

“É um período crítico em relação as queimadas na região. Aqui já teve um perto da Perimetral e outro perto da Icoasa, chegando a necessidade da gente passar algumas situações para as gestões em um projeto com o objetivo de combater esses focos trabalhando em conjunto com os bombeiros. Teve outro incêndio no Alto do Cordeiro, os bombeiros tem as dificuldades deles e no mesmo dia dessa queimada, eles estavam em Timorante, quer dizer, às vezes a gente fica a ver navios porque não sei se é uma ou duas equipes apenas, e eles tem que atender toda região. Essa ideia de trabalhar junto, desde 2017 a gente vem tentando, para montar essa brigada de incêndio” disse ele.

Os incêndios costumam acontecer a partir de pequenos focos, a patrulha tenta montar uma brigada específica em Araripina, Markel comentou que o projeto já está pronto que já foi enviado para Secretaria de Meio Ambiente.

“É nosso interesse montar essa brigada nós estivemos com secretário de Meio ambiente de Trindade o secretário de Meio ambiente de Ipubi e com Araripina para que a gente possa conversar com gestores até montar essa brigada, na minha ideia é importante trabalhar em conjunto com as equipes destas cidades” explicou.

Markel considerou que é importante discutir a ideia juntos, que em relação à mão de obra a região tem pessoas que foram capacitadas através de um curso que foi ministrado pelo Prevfogo do Ibama, em Ouricuri.

“Tem brigadistas em todas as cidades, Trindade, Parnamirim, Cedro, Santa Filomena, Exu entre outras cidades, muitos deles aí sem fazer o trabalho”, disse.

Apesar de todos conhecerem as suas responsabilidades se alguém precisar fazer uma queimada legal é preciso procurar a Secretaria de Meio Ambiente ou Secretaria de Agricultura para informar que vai realizar essa queimada, então os agentes dessas unidades vão até o terreno e comprovam se está sendo feito conforme as normas, isso especialmente para os agricultores que a fazem para preparar a terra para o plantio.

“Ano passado ocorreu o incêndio no mês de setembro no sítio Jatobá foi destruído em torno de 1700 braças de cerca do Senhor Tadeu e esse incêndio começou próximo à uma empresa ali perto e se alastrou destruindo cerca de 400 tarefas de vegetação, se a gente já tivesse a brigada provavelmente esse incêndio não teria se estendido porque nós teríamos conseguido bloquear ele e não teria condições de ultrapassar a pista”, contou Jacob

Recentemente a ONG Patrulha Ambiental e a agência Municipal do Meio Ambiente de Araripina receberam a visita da equipe de campo do Núcleo de Ecologia e Monitoramento Ambiental da Universidade Federal do Vale do São Francisco ( UNIVASF), com o objetivo de fornecer sementes para serem plantadas no intuito de repor essa vegetação que foi queimada..

A Patrulha também costuma distribuir mudas, mais de 20 mil mudas já foram distribuídas, desde 2014 entre árvores nativas, exóticas e frutíferas nas comunidades em Araripina, Trindade, Exu e outros municípios. Porém, foi informado que o viveiro da ONG está sendo desativado depois de assaltos sucessivos da tela de cobertura do viveiro, que por dias seguidos ficou aberto.

“Não temos condições de estar repondo a tela e resolvemos depois de uma conversa entre os membros da patrulha fechar o viveiro, nós estamos doando todas as mudas que estão no viveiro, mais de 200, a gente vai doar durante a semana para poder finalizar esse trabalho de produção de mudas”, lamentou. Ouça abaixo a entrevista na íntegra:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here